Category: Fast Tips

[FAST TIPS] Microsoft Azure – Desligamento automático de máquinas

[FAST TIPS] Microsoft Azure – Desligamento automático de máquinas

No fast tips de hoje vamos falar de uma função muito interessante que existe na Microsoft Azure, a função de desligamento automático de servidores =D.

Para sites que tem ambiente de homologação na nuvem ou servidores que não trabalham durante a madrugada, o interessante é deixar esses servidores desligados, assim diminuindo o custo de uso desses servidores, o que é muito importante.

Para configurar o desligamento automático de servidores, é necessário você entrar nas configurações do servidores através do console da Microsoft Azure: 

Em seguida, clique em desligamento automático e configure o horário que deseja que esse servidor seja desligado, depois clique em salvar e pronto, seu servidor será desligado todos os dias no horário que você configurou no desligamento automático =D.

 

[FAST TIPS] AWS – Trusted Advisor

[FAST TIPS] AWS – Trusted Advisor

Nesse fast tips iremos falar sobre uma ferramenta pouco conhecida na AWS, porém muito importante: Trusted Advisor.

Essa ferramenta extremamente fácil de ser utilizada realiza uma varredura de segurança, performance, otimização de custos e verificação de tolerância à falhas. Nos planos mais básicos só são disponíveis alguns recursos de verificação de segurança e de desempenho, as outras ferramentas só podem ser usadas nos planos Business ou Enterprise.

Mesmo nos planos mais básicos já é possível ver e corrigir uma boa quantidade de problemas de segurança.

Então, para você que administra ambientes na AWS, lembre-se de usar essa ferramenta e nada de deixar portas 22 abertas para o mundo! =D

Espero que tenham gostado dessa dica e até mais!

[Fast Tips] Ansible – Validando os Playbook’s antes de executar!

[Fast Tips] Ansible – Validando os Playbook’s antes de executar!

No Fast Tips dessa semana vamos passar uma dica para quem está começando a escrever seus playbooks com Ansible e não sabem como validar quais alterações serão feitas na máquina depois de editar ou criar uma role.

É muito comum hoje em dia depois de fazermos uma alteração em alguma role do Ansible testarmos e validarmos o que a alteração realmente vai modificar no host escolhido e para isso muitas vezes subimos uma outra máquina com as alterações, o que pode gerar custos elevados no final do mês.

Ao invés de subir outra máquinas com as atualizações ou utilizar o Vagrant para validar as alterações, podemos utilizar dois parâmetros que são pouco utilizados no Ansible, mas tem grande valor:

Esse primeiro parâmetro – -check funciona como DryRun na execução do playbook, ou seja, ele simula a execução de todas as roles contidas no playbook no host de destino. Assim conseguimos saber quais tasks modificarão o host de destino e quais tasks não modificarão.

Já o parâmetro – -diff, diferentemente do – -check, não funciona como DryRun, e sim apenas mostra quais são as modificações feitas no host em que o playbook será executado de forma detalhada, ou seja, caso tenha alterado algum arquivo ele mostrará as linhas modificadas, enquanto com o – -check só seria mostrado que há uma alteração para ser feita em determinado arquivo.

Dica: Esses dois parâmetros se tornam ainda mais interessantes quando usados em conjunto!

Façam os testes e deixem nos comentários o que acharam do Fast Tips da semana!

[Fast Tips] AWS – Utilizando as Tags de maneira criativa

[Fast Tips] AWS – Utilizando as Tags de maneira criativa

Nesse post vamos abordar uma funcionalidade muito importante da AWS e que muitas vezes é pouco explorada pelos administradores da nuvem! TAGS

As tags da AWS estão lá não apenas para dar o nome para os recursos de cada serviço como na parte de EC2 que temos a Tag Name para nomear cada instância criada. As tags tem o papel de organizar, descrever e até otimizar a administração dos recursos.

A seguir você vai ver algumas funcionalidades que as tags podem proporcionar:

  1. Criar uma tag Environment e aplicá-la em todos os serviços que possuem esse recurso pode ser uma das maneiras de segregação de ambientes como Homologação e Produção, o que pode facilitar em uma busca rápida no painel de Instances do EC2 ou até mesmo auxiliar na hora de visualizar o custo por ambiente na área de billing.
  2. Tags para executar rotinas em determinados recursos como desligar o ambiente de homologação durante a madrugada para diminuir o custo. Ou seja todos os recursos que possuem a tag desligar serão atingidos por uma rotina de stop/start.
  3. Até na hora de criar um ambiente de deploy blue/green é possível utilizar as tags para controlar qual stack está ativa e qual stack não está: Stack: ON Stack: OFF

Essas são só algumas implementações possíveis usando as tags da AWS, você pode optar por usá-las da forma que preferir, criatividade é tudo!

Compartilhe conosco outros exemplos em que o uso das tags da AWS foi usado de forma criativa inteligente!